INVENTÁRIO, 2020 – CHORUME BIOFERTILIZANTE SOBRE PAPEL /ORGANIC MATTER BIOFERTILIZER ON PAPER. 104 x 149cm
FOTO DE/ PHOTO BY EDOUARD FRAIPONT
alta _Filipe Berndt__web.jpg
FOTO DE/ PHOTO BY FILIPE BERNDT
_ENG
_PORT

No inicio do século XIX, com a abertura dos portos para as Nações Amigas do reinado de Dom João VI, pintores europeus vieram ao Brasil com o objetivo de retratar as peculiaridades da natureza local.

 

Com as missões artísticas vieram Debret, Rugendas, Taunay, estudando cada detalhe da paisagem nacional, a fim de mostrá-las ao velho continente através de pinturas, gravuras e publicações repletas de imagens e textos. 

 

Na pintura Inventário, reproduzo com uso de chorume biofertilizante a gravura “Floresta virgem de Mangaratiba na província do Rio de Janeiro (Forèt Viérge Près Manqueritipa dans la province de Rio de Janeiro)” publicada em Paris entre 1827 e 1835.

 

O registro da paisagem da mata atlântica brasileira feito por Johann Moritz Rugendas evidencia esse olhar eurocêntrico sobre a biodiversidade brasileira. A partir do ponto em que o autor da imagem justapõe numa só cena, diversos tipos de biomas que não ocorrem naturalmente no mesmo espaço, Rugendas deixa claro que o principal objetivo é inventariar o que vira ao longo de um vasto território visitado e explorado por ele. Ou seja, a catalogação é o que está em jogo nesta imagem já que o trabalho foi resultado de uma missão de exploração geográfica.

 

Em suma, Inventário usa de material orgânico nacional decomposto como matéria prima para revisitar o olhar do artista missionário europeu enviado pela coroa, para retratar um dos mais amplos biomas do planeta.

 

_

Portuguese pavement is generally composed of black and white limestone stones of irregular sizes and formats that exhibit several possibilities of decorative patterns. Patterns commonly seen on the pavements of Portuguese cities are also found in other Portuguese-speaking countries, former colonies of the then-Portuguese monarchy. In the case of the Brazilian metropolises, it is no different: some of the country’s oldest public pavements exhibit an array of familiar and com- plex decorative patterns.

With interest renewed within Brazilian modernist architecture, the Portuguese pavement has affirrmed itself in national public and private urban spaces in an undeniable and irreversible way.

This work portrays an ironic and paradoxical attempt to use carvings on post-colonial pavement to recreate the Effigy of the Republic, the same one printed on banknotes of the Brazilian real.

_
FOTO DE/ PHOTO BY FILIPE BERNDT
inventario.jpg
FOTO DE/ PHOTO BY FILIPE BERNDT