BREVE TEXTO/

Meu trabalho está ligado a duas questões bastante específicas: a de trazer visibilidade ao que não é visível, e de como nosso corpo se relaciona com o que aparentemente não tem fisicalidade.

 

Durante a minha trajetória, tenho experimentado maneiras de dar forma às forças, aos espaços e às estruturas aparentemente invisíveis. A busca do universo daquilo que está encoberto ou ignorado impulsiona o meu trabalho a flertar com diversos meios de construções plásticas. Dessa maneira, desenho, pintura, produção de vídeos e objetos não só se conectam com a estética de projeto da arquitetura e engenharia, como também se aproximam das representações visuais de campos como os das ciências exatas e bioquímicas.

 

Meu interesse não é só pela potência do desconhecido – ou conhecido somente por seus efeitos –, mas também por imagens que materializam essas estruturas ocultas, como endoscopias, radiografias ou até mesmo o ruído branco. Assim como por forças que nos cercam, atravessam e invadem nossos corpos. Poeira, som, ondas eletromagnéticas, aquilo sobre o que se especula, e também o sobrenatural: esses são alguns dos motivos que movem meu trabalho.

 

A relação entre tais forças e o que fornece resistência a elas tem sido assunto de trabalhos mais recentes. Como essas relações geram espaços de tensão? De que maneira representam contextos sociais e políticos dentro do meu cotidiano?

 

Busco, pela arte, o avesso incerto daquilo que está claro. Ali posso trabalhar com uma realidade inaudita, às vezes mais “real” do que aquela que estamos acostumados a ver.

STATEMENT/

My work is connected to two specific matters: the attempt to bring visibility to the invisible and how our body interacts with what appears to lack physicalness. 

 

Throughout my trajectory, I have experimented with ways of giving form to forces, spaces and structures seemingly invisible. The search for the ignored, covert universe propels my work to flirt with various mediums. Thus, drawing, painting, videos and objects often associate with aesthetics of architecture and engineering but also approach visual representations of fields like those of the exact sciences and biochemistry. 

 

My interest isn’t restricted to the potentially unknown — or known only through their effects — but it also extends to images that materialize those hidden structures, like endoscopies, X-rays, or even white noise, and to forces that surround us, pass through us and invade our bodies. Dust, sound, electromagnetic waves, the speculative, and also the supernatural are a few of the reasons that drive my work. 

 

The relationship between those forces and those that resist them is the theme of my most recent works. How do these relationships generate spaces of tension? How do they give social and political context to my daily life?

 

Through art, I search for the uncertain inverse of what is clear. There, I can work with an unheard reality sometimes more “real” than that we’re used to seeing.